Alô, geekissers!

Desde quando foi anunciado em abril desse ano, The Legend of Zelda: A Link Between Worlds não chamou muito a minha atenção. Antes mesmo de ser anunciado oficialmente, diziam que Miyamoto queria na verdade fazer um remake para 3DS de The Legend of Zelda: A Link to the Past, lançado originalmente para Super Nintendo em 1991/1992. Mas Eiji Aonuma, produtor da série, não ficou contente com essa história de remake e quis fazer uma continuação. Mesmo assim, não fiquei empolgado.
Eu? Não ficar empolgado com um título novo de Zelda? O que estava acontecendo?
Pois é, tinha alguma coisa errada, mas eu sabia que mais cedo ou mais tarde eu ia ficar empolgado e isso realmente aconteceu. Com um pouco menos de mês antes do lançamento do jogo, eu fiquei ansioso por mais um título dessa série que deu origem ao meu apelido que levo desde a época da escola (na segunda série).

Antes de falar um pouco do jogo, vamos ver o que me fez ficar ansioso. Foram dois vídeos. Um que vi no dia das bruxas no canal da Nintendo:

E AGORA ESSE DO FOFO DO AONUMA CORRENDO POR NOVA YORK PRA PROMOVER O JOGO ♥

É um dos produtores de games mais fofos, não é?

Muito que bem! Vamos falar agora um pouco desse jogo que era pra ser remake, parece um remake, mas não é um remake e sim uma continuação, mas não uma continuação direta. UFA!

O jogo vai sim se passar no mesmo mundo de A Link to the Past, mas não será uma continuação direta. Em uma entrevista não muito recente com Aonuma, o mesmo apontou em que lugar A Link Between Worlds vai se passar na cronologia oficial da série, que vocês conferem nessa imagem feita e cedida pelos fofos do Hyrule Legends:

Timeline Zelda

A Link Between Worlds entra na parte da “Guerra do Aprisionamento”, que é toda aquela história de aprisionamento do Ganon, por ter matado o herói do tempo (já que todos esses jogos estão na linha do tempo da queda do herói). O jogo oficialmente é colocado entre Link’s Awakening e The Legend of Zelda (NES), seis gerações depois da história de A Link to the Past. De acordo com o Nintendo Direct do dia 7 de agosto, a encarnação de Link nesse jogo não é a mesma do Link em A Link to the Past. Um pouco confuso, não? Mas leiam o Hyrule Historia que isso vai fazer total sentido, hahahaha. Talvez seja até um desfecho pra Guerra do Aprisionamento.
O jogo vai sim se passar no mesmo mundo de A Link to the Past, com os mesmos lugares, uma Hyrule bem idêntica a do jogo de SNES e também teremos o Dark World. A Nintendo parece que deu uma dica pros fãs. Se prestarem atenção, existe uma outra Triforce no logo do jogo, uma Triforce invertida e negra. Talvez o Dark World tem sua própria Triforce. E também o jogo tem uma versão alternativa de Hyrule, chamada Lorule, que é governada por Hilda, uma analogia a Princesa Zelda (isso é tão “Sabrina, aprendiz de feiticeira”, que as tias dela se chamavam Hilda e Zelda)!

Zelda e Hilda

QUE MALUQUICE, NÉ, GENTE? Mas pra quem é fã, nossa, é a coisa mais compreensível e… é difícil explicar. É como um fã de Pokémon querer explicar como funcionam os IV’s e EV’s, hahahaha.

O que me deixou MUITO empolgado também foram as músicas:

Uma mais linda que a outra! E vocês notaram a Majora’s Mask no vídeo antes do Ravio invadir a tela com a cabeçona?
Há também aquela brincadeira de músicas invertidas, igual no Skyward Sword. Temas clássicos de A Link to the Past foram “reutilizadas” na trilha sonora.

Notaram algo?

Então guardem seus Rupees que esse jogo magnífico será lançado dia 22 de novembro e quero ver todo mundo jogando, ok?

See ya!

  1. Amanda Maria Magalhães de Alme says:

    Aiiin, já tinha ficado animada com o jogo e agora fiquei mais ^^

    *fica triste pelo meu livro Hyrule historia tá em japonês e n poder ler ele todo pra me situar mais*

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>